Fortaleza, Domingo, 19 Mai 2019

Tecnologia da Informação

Nasa mostra imagem do sol como você nunca viu.

Como as cores varrem em torno do sol no filme, os espectadores devem notar o quão diferente a mesma área do sol aparece. Isso acontece porque cada comprimento de onda da luz representa material solar em temperaturas específicas. Diferentes comprimentos de onda transmite informações sobre diferentes componentes da superfície do sol e da atmosfera , assim que os cientistas usam para pintar um quadro completo da nossa constante mutação e variação da estrela.

A luz amarela de 5800 Angstroms, por exemplo, geralmente emana a partir de material de cerca de 10,000 graus F ( 5700 ° C ) , que representa a superfície do sol. Luz ultravioleta extrema de 94 Angstrom , que é tipicamente colorida em verde nas imagens do SDO, vem de átomos, que são cerca de 11 milhões de graus Fahrenheit ( 6,3 milhões graus C) e é um bom comprimento de onda para olhar para erupções solares, que pode atingir temperaturas tão elevadas. Ao examinar fotografias do sol em uma variedade de comprimentos de onda - como é feito não só pela SDO, mas também pela interface Região imagem Spectrograph da NASA , Observatório de Relações Solar Terrestre da NASA e da Agência Espacial Europeia / NASA Solar e Heliosférico Observatory - cientistas podem acompanhar como partículas e calor se movem através da atmosfera do sol.

O filme 2,9 minutos foi criado pelo Estúdio Visualização Científica da NASA ou SVS no Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt , Maryland, e está disponível no site da SVS :

Publicado em Ciência e Tecnologia
Terça, 30 Agosto 2016 19:06

NASA TV Media

NASA TV vai ao ar regularmente com uma série de programas, pré-gravados com uma programação 24 horas por dia em seus diversos canais. Os programas incluem "NASA Gallery", que apresenta fotografias e vídeos da história da NASA, "Video File", que transmite b-roll footage para meios de comunicação e mídia; "File Educação", que oferece programação especial para as escolas "; NASA Edge" e "A NASA 360", hospedado programas que enfocam diferentes aspectos da NASA, e "This Week @ NASA", que mostra notícias de centros da NASA em todo o país. A cobertura ao vivo da ISS e comentário relacionado é exibido diariamente às 11 horas EST e repete ao longo do dia. [7] A rede também oferece uma variedade de programação ao vivo, tais como cobertura de 24 horas de missões do vaivém espacial, eventos ISS (caminhadas espaciais, entrevistas na mídia , transmissões educacionais), conferências de imprensa e lançamentos de foguetes. Estes incluem muitas vezes comentam por membros do Serviço NASA Relações Públicas que servem como a "voz do Controle da Missão", incluindo Rob Navias, Byerly Josh, Cloutier Nicole e Dean Brandi. Nos Estados Unidos, Public NASA Television, Educação e canais de mídia são MPEG-2 digital C-band sinais realizados pelo QPSK / DVB-S modulação no satélite AMC-3, 15C transponder, menos 87 graus de longitude oeste. Downlink frequência é de 4000 MHz, polarização horizontal, com uma taxa de dados de 38,86 Mhz, a taxa de símbolo de 28,1115 Ms / s, e ¾ FEC. A Transmissão de Vídeo Digital (DVB) compatível com receptor integrado decodificador (IRD) é necessário para a recepção.

 

 

Publicado em NASA
Terça, 30 Agosto 2016 18:36

Estação Espacial Internacional - ISS

Ao vivo a Estação Espacial Internacional inclui exibições internas, em alguns momentos quando a equipe é vista de plantão em contato com o controle da missão na Terra. O vídeo é acompanhado por áudio de conversas entre a tripulação e Controle da Missão. Este vídeo só está disponível quando a estação espacial está em contato com o solo. Durante a "perda de sinal" em determinados períodos, os espectadores podem ver um padrão de teste ou um mapa do mundo gráfico que descreve o local da estação em órbita acima da Terra. A estação orbita a Terra uma vez a cada 90 minutos, ele experimenta um amanhecer ou um pôr do sol a cada 45 minutos. Quando a estação está com câmera de vídeo externo desligada, pode aparecer preto, mas pode às vezes oferecem vistas espetaculares de raios ou luzes da cidade abaixo.

Estação Espacial Internacional (EEI, na sua sigla em português ou, em inglês, "International Space Station", com a sigla ISS) é um laboratório espacial completamente concluído, cuja montagem em órbita começou em 1998 e acabou oficialmente em 8 de Junho de 2011 na missão STS-1351 . A estação encontra-se em órbita baixa (entre 340 km e 353 km), que possibilita ser vista da Terra a olho nú, e viaja a uma velocidade média de 27.700 km/h, completando 15,77 órbitas por dia.
Na continuidade das operações da Mir russa, do Skylab dos Estados Unidos e do planejado Columbus europeu, a Estação Espacial Internacional representa a permanência humana no espaço e tem sido mantida com tripulações de número não inferior a dois elementos desde 2 de novembro de 2000. A cada rendição da tripulação, a estação comporta duas equipes (em andamento e a próxima), bem como um ou mais visitantes.
A ISS envolve diversos programas espaciais, sendo um projeto conjunto da Agência Espacial Canadiana (CSA/ASC) , Agência Espacial Europeia (ESA), Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (宇宙航空研究 ou JAXA) , Agência Espacial Federal Russa (ROSKOSMOS) e Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) dos Estados Unidos.
A estação espacial encontra-se em órbita em torno da Terra a uma altitude de aproximadamente 360 quilômetros, uma órbita tipicamente designada de órbita terrestre baixa (na verdade, a altitude varia ao longo do tempo em vários quilómetros devido ao arrastamento atmosférico e reposição). A estação perde, em média, 100 metros de altitude por dia e orbita a Terra num período de cerca de 92 minutos. Em 27 de junho de 2008 (às 01:01 UTC) completou 55.000 órbitas desde o lançamento do módulo Zarya, o primeiro a ser lançado para o espaço.
A estação era atendida principalmente pelo vaivém espacial (português europeu) ou ônibus espacial (português brasileiro) e pelas naves Soyuz e Progress. O último voo de um ônibus espacial – o Atlantis - foi marcado para 8 de julho de 2011. A estação ainda se encontra em construção, embora já seja utilizada continuamente para realização de experiências científicas (algumas cuja realização na superfície terrestre seriam de elevada dificuldade, mas de relativa facilidade em órbita). Atualmente a estação já está pronta para suportar tripulações de seis elementos. Até julho de 2006, todos os membros da tripulação permanente provinham dos programas espaciais russos ou norte-americanos. No entanto a partir dessa data, a EEI tem recebido tripulantes das Agências Espaciais Europeia, Canadiana e Japonesa. A Estação Espacial também já foi visitada por muitos astronautas de outros países e por turistas espaciais.
É comum associar à estação um estado de "gravidade zero", originando alguma confusão, porque tal que não ocorre no local. A gravidade aproximada do local, levando-se em conta um raio de 6.378,1 km terrestre, é de 8,3 m/s² a 8,4 m/s², pela igualdade da Lei da Gravitação Universal (LGU) e o peso, o que é considerável. O efeito "gravidade zero" ocorre porque a estação está "a cair eternamente" por causa da curva ocasionada pela "força centrípeta" a que está sujeita.

Participação brasileira
O Brasil assinou um acordo exclusivo e direto com a NASA para produzir hardware e, em troca, ter acesso aos equipamentos norte-americanos além de permissão para enviar um astronauta brasileiro à estação, o que aconteceu em 2006 quando o brasileiro Marcos César Pontes, o primeiro astronauta lusófono, esteve na estação, onde permaneceu por uma semana, transportado por um foguete russo.
Contudo, o Brasil está atualmente fora do projeto de construção da Estação Espacial Internacional, devido ao não cumprimento, da empresa subcontratada da Embraer, do contrato assinado, que foi incapaz de fornecer o Palete EXPRESS prometido. Após quase dez anos de participação, o país deixou de ser considerado na lista de fabricantes da base orbital. Segundo o especialista John Logsdon, diretor do Instituto de Políticas Espaciais da Universidade George Washington e membro do Comitê de Conselho da Nasa, "já é tarde demais para o Brasil fazer qualquer coisa, a não ser tornar um usuário da estação".

Publicado em NASA


Insira aqui o seu Nome e E-Mail para receber gratuitamente as atualizações do Blog do Anísio Alcântara

Nós também detestamos SPAM. Prometemos nunca enviar nenhum E-Mail indesejado para sua caixa postal.





| Principal | Contato | Webmail | Notícias | Android App | NASA Ao Vivo | Águias Ao Vivo | Radio FM | TV Assembléia | Livros Grátis |


Copyright © 2012 Anísio Silva de Alcântara. All Rights Reserved.


O Blog do Anísio Alcântara foi publicado no dia 25 de Março de 2012